Certificação WELL, uma abordagem holística sobre elementos do ambiente construído

Publicado em 14 . 12 . 2015

Blog---Well-2
A certificação WELL foi resultado de sete anos de pesquisa, em colaboração com profissionais da saúde e do meio acadêmico. A Certificação foi lançada pelo International WELL Building Institute (IWBI) e administrada em parceria com o órgão certificador Green Building Certification Institute (GBCI), também responsável pela certificação LEED Green Building Rating System.
Esta nova agenda da sustentabilidade agora inclui as pessoas como peça central, a certificação WELL é baseada no monitoramento dos impactos dos empreendimentos na saúde e bem-estar de seus ocupantes. A certificação permite que proprietários e incorporadores projetem espaços que promovam a saúde e bem-estar, bem como o aumento da produtividade e conforto dos usuários baseado em medições periódicas.
O Well possui uma abordagem holística sobre elementos do ambiente construído através de sete conceitos:

  1. Ar
  2. Água
  3. Nutrição
  4. Iluminação
  5. Fitness
  6. Conforto
  7. Mente

As sete estratégias apresentadas na certificação WELL podem ser agrupadas conforme o impacto na saúde e bem-estar e cada requisito da certificação associa-se a um ou mais sistema corporal:

  • Cardiovascular
  • Digestivo
  • Endócrino
  • Sistema imunológico
  • Sistema tegumentar
  • Sistema muscular
  • Sistema nervoso
  • Sistema reprodutivo
  • Sistema respiratório
  • Sistema esquelético
  • Sistema urinário
  1. AR

52% dos empreendimentos apontam (Occupational Safety and Health Administration, 1999) que os problemas relativos a qualidade do ar estão intrinsicamente ligados a ventilação inadequada. Em segundo lugar foi apontado problemas de contaminação interna do ar, com 16%, seguindo por fontes de contaminação externas ou desconhecidas.
A abordagem do WELL é otimizar e alcançar um desempenho superior na qualidade do ar no interior da edificação. Dentre os temas que representam esta categoria estão: o teste de qualidade do ar e seu monitoramento; filtragem e tratamento do ar interno; ventilação mínima necessária para a saúde dos usuários; controle de umidade do ar; seleção de materiais atóxicos; utilizar processo de construção que garantam uma melhor qualidade do ar para os trabalhadores durante a obra, reduzindo a quantidade de particulado em suspensão.

  1. ÁGUA

A grande preocupação no requisito de água, não é o consumo, mas sim, a qualidade da água consumida, acesso a água potável e filtragem da água. Uso de cloro e outros produtos para desinfecção; bactérias; sedimentos; quantidade de minerais dissolvidos na água; dureza da água são alguns critérios que devem ser considerados para a atendimento do WELL.

  1. NUTRIÇÃO

O WELL incentiva melhorias no habito alimentar através de cultivo de alimentos no empreendimento, respeito a restrições alimentares, local adequado para estoque e preparo de alimentos e pontos para higienização das mãos no empreendimento.

  1. ILUMINAÇÃO

Um projeto de iluminação adequado, dimensionamento de aberturas e controle de iluminação podem auxiliar no ritmo circadiano, além de melhorar a produtividade e humor dos usuários.
Os empreendimentos devem ser atentar aos seguintes conceitos para atendimento do WELL:  acesso a iluminação natural; iluminação artificial apropriada para a tarefa; ofuscamento; temperatura de cor.

  1. FITNESS

Para o atendimento desta categoria, o empreendimento deve estimular a atividade física. Os requisitos são voltados a incorporar atividades no dia a dia dos usuários, através da inclusão de escadas ergonômicas, projeto exterior agradável e com conexão a infraestrutura local, incluindo ciclovias, se possível.

  1. CONFORTO

As estratégias incorporadas no tema Conforto incluem: conforto térmico; acústico; ergonômico; e olfativo, acessibilidade e controlabilidade dos sistemas.

  1. MENTE

Os requisitos têm como objetivos melhorar a saúde mental e emocional dos usuários do empreendimento. O projeto deve acomodar espaços que promovam o relaxamento, desenvolver pesquisa de satisfação entre os funcionários sobre a qualidade do ambiente construído.
A versão inicial WELL Building Standard v1.0 é indicada para edifícios comerciais ou institucionais e é organizada de acordo com as seguintes tipologias:

  • Core and Shell;
  • Certificação de melhorias do locatário (Tenant Improvements Certification);
  • Novas Construções e Grandes Renovações (New Construction and Major Renovations Certification).

O processo para alcançar a certificação é coordenado pelo IWBI em parceria com o GBCI, que concede a certificação em um dos seguintes níveis – Silver, Gold ou Platinum. Similar às demais certificações de Sustentabilidade, para atingir níveis mais altos o projeto deve atender, além de todos os pré-requisitos mínimos, uma porcentagem de pontuação chamada de “otimização”. Essa porcentagem representa 60% do total da certificação. A partir do atendimento a todos os pré-requisitos, para atingir o nível Silver é necessário obter pontuação de 5 ou 6 pontos, nível Gold de 7 ou 8 pontos e nível Platinum de 9 ou 10 pontos.

Fonte: The Well Building Standard® – International Well Building Institute


 
 
A certificação WELL tem validade de 3 anos e após esse período é necessário submeter a certificação novamente.  O encadeamento do processo declaratório segue a trajetória de registro do projeto, submissão da documentação, verificação de performance pelo organismo certificador e, por fim, obtenção da certificação.

Fonte: The Well Building Standard® – International Well Building Institute


 
 
Todo esse processo é responsável por impulsionar o mercado e desafiar os arquitetos e designers a olharem não somente para o meio ambiente, mas também para as particularidades deste ambiente construído que impactam diretamente na saúde e bem-estar dos usuários. Portanto, a importância da certificação WELL é trazer à tona essa necessidade de reinventar os edifícios de forma que o usuário seja colocado em primeiro lugar.
 

Fonte: The Well Building Standard® – International Well Building Institute


 
 
 
 
 
 
 
 
Botão-Blog
 
 
 
 
 
Texto escrito por Cibele Romani – Consultora Sustentabilidade LEED AP e Carolina Lacquila – Consultora Sustentabillidade LEED AP, ambas da empresa Membro do GBC Brasil: Arup
 

O que procura?

Seja um membro