fbpx

Primeiro edifício LEED Zero Água usa diversas estratégias para chegar no Zero

Publicado em 12 . 09 . 2019

O edifício comercial Eurobusiness obteve a certificação LEED Zero Água em agosto.

 

No dia 14 de agosto, o Eurobusiness, um edifício comercial LEED Platinum em Curitiba, tornou-se o primeiro edifício do mundo a obter a certificação LEED Zero Água. Como complemento ao LEED, as certificações LEED Zero atestam empreendimentos que cheguem ao zero nas categorias água, carbono, energia e resíduos.

O LEED Platinum em 2016 foi uma grande conquista para o desenvolvedor e investidor Marcos Bodanese, mas quando a oportunidade de obter o reconhecimento do LEED Zero apareceu, ele não hesitou.

“Ficamos entusiasmados por ter o primeiro prédio de escritórios LEED Platinum em nossa região. Na época, o LEED Zero Água não existia. Fizemos isso porque era a coisa certa a fazer. Mas agora, ter seu desempenho real e medido certificado sob o LEED Zero é emocionante ”, diz Bodanese.

O primeiro edifício a certificar para o LEED Zero Energia também foi em Curitiba: a sede da consultoria Petinelli, que trabalhou no projeto Eurobusiness. O diretor administrativo Guido Petinelli usa seu próprio escritório como um “laboratório vivo” de sustentabilidade.

 

Eurobusiness: LEED Platinum e LEED Zero Água.

 

A escolha de buscar o LEED Zero Água

“Eu costumava dizer que é mais fácil vender um LEED Platinum do que em um projeto Certified”, diz Petinelli. “Afinal, que jovem atleta sonha em ir às Olimpíadas para ficar em segundo lugar?” Bodanese, ao que parece, foi um dos primeiros a adotar o que Petinelli diz: sempre quer ir além e chegar mais alto.

Então, Petinelli tinha a responsabilidade de fazer o necessário para fazê-lo funcionar. Apesar da natureza ambiciosa de atingir o zero água, no entanto, ele descobriu que vários elementos se combinavam para tornar a jornada mais fácil do que o esperado: além de trabalhar com um cliente visionário, Curitiba é uma cidade com códigos de construção progressivos e condições do local que facilitam justificar uma abordagem inovadora – além disso, ele teve a sorte de trabalhar com uma equipe de projeto que comprou a ideia.

Além disso, a concessionária de água local, Sanepar, apoiou o projeto e, como uma das concessionárias de água mais bem gerenciadas e respeitadas do Brasil, sua aprovação provavelmente incentivará outros projetos a seguir o exemplo do Eurobusiness e a tentar projetos semelhantes.

 

Fazendo escolhas inteligentes com a água

O Eurobusiness incorporou diversas estratégias para obter o LEED Zero Água. O edifício de 14 andares trata 100% de suas águas residuais (cinza e negra) no local, através de um wetland construído em seu telhado. O código municipal de construção exige que as águas cinzas sejam tratadas e reutilizadas e que seja instalada uma bacia hidrográfica para reduzir as taxas de escoamento. Em um projeto convencional, esses sistemas seriam alojados no subsolo, ocupando o espaço de cerca de duas vagas de estacionamento.

Para reduzir os custos iniciais e liberar espaço para estacionamento, no entanto, Petinelli sugeriu o armazenamento da água da chuva no telhado. Uma piscina de água agora cobre toda a superfície do deck. Um sistema de piso elevado projetado para uso externo foi coberto com cascalho fino e plantado com macrófitas, plantas aquáticas que prosperam na água ou perto dela.

A zona úmida construída faz parte do sistema de tratamento, onde as águas residuais são redirecionadas para a descarga do vaso sanitário ou são infiltradas no local. Nenhum produto químico é usado no processo de tratamento e a água potável é fornecida por um poço artesiano no local.

Sistema no telhado trata as águas residuais do edifício.

 

A replicação de sistemas naturais provou ser a solução mais econômica para o tratamento de águas residuais do edifício. Também permitia o tratamento de água cinza e negra sem custo adicional. No final, as vagas de estacionamento pagam pelo sistema.

Como a área disponível no telhado era limitada, também era importante reduzir a quantidade de águas residuais geradas em primeiro lugar. Equipamentos hidráulicos eficientes reduzem o consumo de água potável e, portanto, a quantidade de água residual.

Fontes alternativas de água também tiveram um papel importante, contribuindo para uma redução de 82% no uso de água potável. As fontes de água no local incluíram água da chuva captada, água de condensação, e água cinza e negra. Durante 12 meses medidos, 65% de toda a água utilizada foi recuperada. Um poço artesiano no local serve como a principal fonte de água potável do edifício, e o edifício usa apenas água potável tratada municipalmente como fonte alternativa. A maioria das águas pluviais também é infiltrada no local.

 

O edifício do Eurobusiness e o pantanal no último andar de cima.

 

Enfrentando desafios na medição de água

A importância de dados precisos por meio da medição é essencial para as certificações LEED Zero.

“Esta é a nossa segunda certificação LEED Zero, e um tema comum que já surgiu são ‘medidores'”, diz Petinelli. “Estamos projetando edifícios com zero energia e água há algum tempo, provavelmente mais de 50 projetos até o momento. No entanto, nem todos eles possuem medidores instalados … mas isto é fácil de se consertar, e já estamos trabalhando nisto.”

Sobre o projeto Eurobusiness, ele diz, “o prédio já tinha medidores instalados para fontes de água potáveis ​​e alternativas. Quando se tratava de certificação, era fácil demonstrar o cumprimento dos requisitos do LEED Zero Água. Tudo o que era necessário eram os dados medidos para período de um ano.”

 

Equipe de projeto do Eurobusiness

Incorporador FMA Incorporadora
Arquitetura Borges Macedo Arquitetura, Realiza Arquitetura
Construtora Engemática
Gerenciamento de projetos BBB Ambiental
Consultor LEED
Petinelli
Fornecedores de materiais Arvoredo, Belmetal, Ecotelhado, Egnex, GlassecViracon, Guardian, Perfilarc

*Texto em negrito destaca empresa membro do GBC.

 

Dando significado aos números com o LEED Zero

Enfatizar o desempenho medido “muda a conversa”, diz Petinelli. “Nós, como construtores sustentáveis, finalmente temos uma maneira simples de comunicar aos clientes uma proposta de valor claramente quantificada. Você não pode discutir com dados. E o LEED Zero traz significado para esses dados”.

Petinelli acha que demonstrar liderança de mercado através da obtenção dos mais altos padrões de desempenho de construção é uma venda natural para seus clientes. “Eu prevejo que será ainda mais fácil convencer os proprietários a alcançar o LEED Zero do que o LEED Platinum”, diz ele. É da natureza humana querer atingir o objetivo mais alto.

por Heather Benjamin, originalmente publicado em usgbc.org

O que procura?

Seja um membro