Qualidade do ar no ambiente construído

Publicado em 12 . 07 . 2019

Nossos prédios e cidades em todo o mundo são responsáveis por produzir poluição do ar tanto em ambientes externos quanto internos. Continue lendo para obter mais informações sobre a variedade de diferentes causas que podem afetar a saúde humana e o meio ambiente.

Poluição do Ar

A poluição do ar do ambiente ou do ar livre é causada por uma série de fatores, incluindo transporte, agricultura e resíduos [1]. No entanto, a contribuição do ambiente construído, nas fases de construção e operacional, não pode ser subestimada.

Causas da poluição do ar exterior
  • 39% das emissões globais de carbono relacionadas à energia são atribuídas aos edifícios [3].
  • 28% disto são provém de edifícios em operação, predominantemente do aquecimento, resfriamento e iluminação [4]. O uso de energia é fortemente impactado pela qualidade da envoltória do edifício, com as emissões especialmente altas em edifícios antigos.
  • Os 11% adicionais de emissões de carbono são atribuídos às emissões incorporadas no processo de construção, que tem um impacto bem catalogado no meio ambiente da geração de resíduos, uso da água, criação de poeira e emissões de gases de efeito estufa [4].
  • 1.5 bilhões de tijolos são produzidos a cada ano para construir nossos edifícios – a maioria dos quais são criados usando fornos poluentes. Os fornos de tijolo contribuem com até 20% das emissões globais de carbono negro, juntamente com a produção de aço e ferro [5]. 90% da produção de tijolos está concentrada na Ásia Central, com as emissões ainda maiores pelo transporte para mercados globais [5].
  • Partículas finas (PM2.5 / PM10) são emitidas a partir da combustão de combustíveis para alimentar nossos edifícios, bem como das emissões de transporte concentradas principalmente nas cidades [6]. O planejamento urbano sustentável, portanto, também tem um papel na redução da poluição do ar.
  • A construção civil pode ser responsável pela liberação de poeira tóxica, como sílica ou serragem, que são reconhecidos por suas propriedades carcinogênicas [7].
  • Hidrofluorcarbonetos (HFCs), agentes de resfriamento comumente encontrados em sistemas de ar condicionado e refrigeração, podem ser até 1.000 vezes mais potentes que o dióxido de carbono e são grandes contribuintes para o aquecimento global [8]. O volume de HFCs na atmosfera está aumentando entre 8-15% ao ano devido ao crescimento populacional e à urbanização, e seu uso provavelmente aumentará com o aquecimento do clima [8]. A importância do desenvolvimento sustentável é incomparável, visto que 2,3 bilhões de pessoas em todo o mundo devem, em breve, comprar uma unidade de ar condicionado ou geladeira, e é provável que as opções sejam limitadas a aparelhos ineficientes e altamente emissores [9].
  • O uso residencial de energia em países em desenvolvimento, particularmente o uso de fogões tradicionais, fornos a lenha ou lâmpadas de querosene para aquecimento, cozimento e iluminação dentro de residências, é responsável por até 58% das emissões de carbono negro em todo o mundo [10]. O carbono negro é um exemplo de um poluente climático de vida curta. Os poluentes climáticos de vida curta são poderosos agentes climáticos que permanecem na atmosfera por um período de tempo muito menor do que o dióxido de carbono, mas seu potencial para aquecer a atmosfera pode ser entre dezenas e milhares de vezes maior [11]. O uso desses combustíveis ocorre principalmente em áreas de desenvolvimento econômico muito baixo, onde mais de 1 bilhão de pessoas estão enfrentando a pobreza energética [13].O desenvolvimento sustentável global é claramente um instrumento vital no combate a essas emissões – “São necessárias abordagens inovadoras para atender às necessidades de 1,3 bilhão de pessoas sem eletricidade, ao mesmo tempo em que fazem a transição para um sistema de energia descarbonizado” – Secretariado da Coalizão para o Ar limpo & Clima

Referências:

[1] World Health Organisation. (2018). Ambient (outdoor) air quality and health. [online] Available at: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/household-air-pollution… [Accessed 11 Apr. 2019].[2] World Health Organisation. (2018). Household air pollution and health. [online] Available at: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/household-air-pollution… [Accessed 11 Apr. 2019].[3] International Energy Agency. (n.d.). Energy Efficiency: Buildings. [online] Available at: https://www.iea.org/topics/energyefficiency/buildings/ [Accessed 11. Apr. 2019].[4] UN Environment. (2017). Global Status Report 2017 [online] Available at: https://www.worldgbc.org/sites/default/files/UNEP%20188_GABC_en%20%28web… [Accessed 11. Apr. 2019].[5] Climate and Clean Air Coalition. (n.d). Bricks [online] Available at: http://www.ccacoalition.org/en/initiatives/bricks[Accessed 11. Apr. 2019].[6] Environmental Protection Agency. (n.d.). Particulate Matter Emissions [online] Available at https://cfpub.epa.gov/roe/indicator_pdf.cfm?i=19 [Accessed 11. Apr. 2019].[7] Roadmap on carcinogens. (n.d.). Hardwood Dust [online] Available at: https://roadmaponcarcinogens.eu/hardwooddust/ [Accessed 11. Apr. 2019] [8] Climate and Clean Air Coalition. (n.d.). HFC Initiative Factsheet [online] Available at: http://www.ccacoalition.org/ru/resources/hfc-initiative-factsheet [Accessed 11. Apr. 2019].[9] Sustainable Energy for All. (n.d.). Chilling Prospects: Providing Sustainable Cooling for All [online] Available at: https://www.seforall.org/sites/default/files/SEforALL_CoolingForAll-Repo… 11. Apr. 2019] [10] Climate and Clean Air Coalition. (n.d.) Household Energy [online] Available at: http://www.ccacoalition.org/en/initiatives/household-energy [Accessed 11. Apr. 2019] [11] Climate and Clean Air Coalition. (n.d.) Short-Lived Climate Pollutants [online] Available at: http://ccacoalition.org/en/content/short-lived-climate-pollutants [Accessed 11. Apr. 2019] [12] Centre for Climate and Energy Solutions. (n.d.) Short-lived Climate Pollutants [online] Available at: https://www.c2es.org/content/short-lived-climate-pollutants/ [Accessed 11. Apr. 2019] [13] Climate and Clean Air Coalition. (n.d.) Innovative solutions to finance clean household energy [online] Available at: http://www.ccacoalition.org/en/news/innovative-solutions-finance-clean-h… [Accessed 11. Apr. 2019] [14] Wendee, N. (2014). Cooking Up Indoor Air Pollution: Emissions from Natural Gas Stoves. Environmental Health Perspectives [online] Available at: https://ehp.niehs.nih.gov/doi/full/10.1289/ehp.122-a27 [Accessed 11. Apr. 2019] [15] World Health Organisation Europe. (2009). WHO Guidelines for indoor air quality: dampness and mould [online] Available at: http://www.euro.who.int/__data/assets/pdf_file/0017/43325/E92645.pdf?ua=1 [Accessed 11. Apr. 2019] [16] Velux. (2017). Healthy Homes Barometer 2017 [online] Available at: https://velcdn.azureedge.net/~/media/com/health/healthy-home-barometer/5… [Accessed 11. Apr. 2019] [17] American Lung Association (n.d.) Radon [online] Available at: https://www.lung.org/our-initiatives/healthy-air/indoor/indoor-air-pollu… 11. Apr. 2019] [18] Environmental Protection Agency. (n.d.) Volatile Organic Compounds’ Impact on Indoor Air Quality [online] Available at: https://www.epa.gov/indoor-air-quality-iaq/volatile-organic-compounds-im… [Accessed 11 Apr. 2019] [19] Wolkoff, P. Indoor air pollutants in office environments: assessment of comfort, health, and performance. International Journal of Hygiene and Environmental Health, 2013, 216: 371-394: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22954455[20] Harvard T.H. Chan School of Public Health. (2017) The 9 Foundations of a Healthy Building [online] Available at: https://forhealth.org/9_Foundations_of_a_Healthy_Building.February_2017.pdf [Accessed 11 Apr. 2019] [21] Klepeis, N., Nelson, W. et al. (n.d.) The National Human Activity Pattern Survey. A Resource for Assessing Exposure to Environmental Pollutants. Ernest Orlando Lawrence Berkeley National Laboratory [online] Available at: https://indoor.lbl.gov/sites/all/files/lbnl-47713.pdf [Accessed 11 Apr. 2019]

O que procura?

Seja um membro