fbpx

Vice-presidente de pesquisa do MIT identifica três áreas que mostram promessas de ações climáticas

Publicado em 19 . 05 . 2020

A mudança climática é uma questão muito pessoal para Maria Zuber, vice-presidente de pesquisa do MIT. Nascida no leste da Pensilvânia, ela viu seus avós, ambos mineradores de carvão, combater doenças pulmonares. “A queima de carvão antracito era a força motriz da minha comunidade e foi uma parte central da minha infância”, diz Zuber. “No entanto, desde 1800, sabe-se que a combustão de combustíveis fósseis coloca CO2 na atmosfera e que os efeitos podem ser prejudiciais”.

Hoje os efeitos catastróficos das mudanças climáticas estão aparecendo ainda mais rápido do que em modelos previstos, ela observa. “Se você olhar dessa maneira, é fácil se desesperar.”

No entanto, Zuber, também professora de geofísica, permanece otimista. “As pessoas estão analisando esses efeitos com base no que sabemos agora, mas penso nas ações que serão tomadas quando tivermos avanços tecnológicos e uma melhor compreensão do sistema climático”, explica ela. “Essas descobertas acontecerão, mas não sabemos exatamente quando”.

 

Zuber identifica três áreas de pesquisa promissoras: tecnologia de baterias, energia renovável e fusão.

Baterias

“As baterias são essenciais para combater as mudanças climáticas, porque na implantação de energia renovável, um dos maiores desafios é a intermitência”, explica ela. “Precisamos armazenar a energia eólica e solar para que possamos usá-la quando o sol não estiver brilhando e o vento não estiver soprando. Precisamos de mais capacidade, eficiência e projetos de baterias, e precisamos de baterias feitas de elementos comuns, em oposição a elementos raros.”

 

Solar e eólica

“A energia solar e eólica está realmente penetrando na sociedade, e muitos novos empregos estão sendo criados como resultado”, diz ela. “Energias renováveis por si só​​não resolverão todos os problemas. Também precisamos avançar na descarbonização de outras partes do sistema de energia em que não fizemos tanto progresso. Mas você pode realmente ver a maré começando a mudar”

Zuber cita o trabalho para criar a próxima geração de energia fotovoltaica leve, flexível e que possa melhorar drasticamente os sistemas de energia solar. “Temos muita coisa acontecendo em energia solar”, diz ela.

 

Fusão

Sobre o tema da fusão, o entusiasmo de Zuber é ilimitado. “A fusão é o processo que alimenta o sol, e precisamos trazer esse processo para a Terra”, explica ela. “O combustível é hidrogênio, um componente da água, por isso é praticamente gratuito e praticamente inesgotável”. O maior obstáculo para trabalhar com a fusão é projetar um dispositivo que crie mais energia do que usa para gerar energia. “Este é um desafio realmente difícil”, ela admite. “Mas a fusão pode ser um importante contribuinte para limitar a mudança em nosso clima. Ele não coloca CO2 na atmosfera e não há desperdício de combustível radioativo envolvido. ”

“As pessoas nunca levaram a fusão a sério, mas parecem estar agora”, diz Zuber. “O fato de o setor privado também estar investindo pesado em energia de fusão indica otimismo de que a tecnologia amadureceu a ponto de ser um investimento razoável a longo prazo. ”

 

Engajamento externo

Além da pesquisa, Zuber descreveu a colaboração bem-sucedida do Instituto com outras organizações e governos. Em um exemplo, o MIT uniu forças com duas organizações locais, o Boston Medical Center e a Post Office Square Redevelopment Corporation, em um contrato de compra de energia em 2016 que resultou na construção de uma fazenda solar de 650 acres e 60 megawatts no local de uma antiga fazenda de tabaco na Carolina do Norte. A energia gerada pela fazenda solar substitui a energia fornecida anteriormente por uma usina a carvão.

“Também convocamos empresas de investimento, empresas de combustíveis fósseis, produtores de cenários climáticos, advogados ambientais e ONGs, juntamente com acadêmicos como nós, para explorar o papel das divulgações corporativas em relação às mudanças climáticas”, diz ela. “As empresas estão assumindo grandes riscos se não considerarem as consequências financeiras do aquecimento global”.

O envolvimento contínuo com organizações e populações externas é essencial. “As mudanças climáticas afetam todos na Terra e o MIT não pode resolver um problema global sozinho”, ressalta Zuber. “Uma solução que pode funcionar aqui em Cambridge pode não funcionar na Índia ou na África, por isso, procuramos parceiros de diferentes áreas do mundo em desenvolvimento. Precisamos considerar essas perspectivas em soluções de energia.”

 

_
por MIT Resource Development, publicado em MIT News.

O que procura?

Seja um membro